7 de maio de 2016

THE MAGIC CITY SPREAD



I could not resist. As a Tarot {of Prague} reader and lover, here's a spread inspired by the city and the deck itself. It's entirely based on the places I've visited during the Baba Studio's Magic Prague Tour, so the effect will be higher if used with the Tarot of Prague, of course. It must be read each month to bring empowerment, inspiration and joy.

Click HERE to read a review about the new editions of the Tarot of Prague.




1 The Petrin View Tower: an overview of the situation / of the life in this moment

2 The Prague Castle: sovereignty, how you must act to achieve your best to manage the situations 

3 The Golden Lane: day life, habits, details; what must be taken in account

4 The Strahov Library: wisdom, readings; what inspires you

5 The Saint Nicholas Church: beliefs; how’s your faith 

6 The Jewish Quarter: your life’s philosophy; the certainties

7 The Old Synagogue: what protects you; what’s your golem

8 The Astronomical Clock: how you deal with time and opportunities

9 The Powder Tower: what you must defend now

10 The Vltava River: what’s passing through you; what you must let go

11 The Charles Bridge: where you are and where you are going

12 The Vysehrad: memory, glory, honor; what must be remembered now

13 The Railway Station: how you solve or ends; who you will be in next month


Click HERE to read a review about the new editions of the Tarot of Prague.

30 de abril de 2016

THE MAGIC TAROT OF PRAGUE

The Tarot of Prague LE edition and my King Wenceslas relic
after a lovely ritual at Charles Bridge



Nietzsche affirms, in Ecco Homo: "When I look for another word for music, I only ever find the word Venice”. 
I say to you: if I look for another word to say arcane, I find only the world Prague.

Angelo Maria Ripellino 
Magic Prague, 1973


The Tarot of Prague is one of the most luxurious decks that have ever been created. As a result of intense historical and iconographic researching and frequent photographic tours by Karen Mahony and Alex Ukolov, this deck is not only a tribute to the capital of the Czech Republic as well as a unique tool for oracular expression. It introduces us to the symbols of several centuries and reigns of Bohemia, all of them combined in an original way by one of Europe's largest art studios: the Baba Studio

A predictive reading that I’ve made on Tarot of Prague is a main reason for this article. 'A rebirth is coming', have said the cards. In a first sight, it was strange due to the continuous denying from the authors about a reprint. Out of the blue, the idea of a magic tour in Prague has changed their plans. After all, a new edition would be fundamental to honor Prague and the itinerary of the tour. And was perfect. I've been there.




The first edition and the reprint of my favorite deck
Yes, I'm a Tarot of Prague collector


I realized the existence of the Tarot of Prague in 2005, when it was totally sold out. After many years of searching, I finally found it out in the end of 2014 and since then I started to use it in my professional readings. As a tarot deck collector, I can assure this is one of the most beautiful ever made worldwide. Precious. I also assert it is one of the seven wonders among all tools in the oracular universe. The link among its symbols and the Prague’s scenarios converges with the oracular structure undertaken by A. E. Waite and Pamela C. Smith: the Tarot of Prague is entirely based on the RSW system, which makes it a handy deck to any reader who is familiar with illustrated Minor Arcana. The simple act of contemplating the cards or reading them proves the magnificence of one of the most mysterious and beloved cities in the world.


The Judgement and the Page of Pentacles

The first and the second editions — out of print since 2004 — of the Tarot of Prague are totally overpriced today. Thus, 13 years after the first edition, Alex Ukolov and Karen Mahony give birth to new versions of the deck: a standard edition and a limited edition


The NEW Tarot of Prague
Standard Edition & Limited Edition



There are two main reasons to the return of the Tarot of Prague: the first is the Magic Prague Tour, happened between 2016 April 16th and 22nd, developed by a partnership between BabaStudio and Markéta Hradecká from Caput Regni Private Tours. Their idea attracted a restricted group of astrologers, magic enthusiasts and Tarot readers from several countries (Brazil, France, Netherlands, Belgium, Australia, England and USA), which was conducted to one week of activities related to Cabala, Alchemy, Astrology, Tarot and the Czech culture. 


Here we are!
Photo: Alex Ukolov

Handling the Tarot of Prague was absolutely necessary to understand better Mahony and Ukolov’s creative process and to visualize the city through the arcana, which are the better artistic tribute to the history and magic of Prague. The second is, as the deck’s little white book expresses, “in part, a farewell to the city”. BabaStudio moves to Ireland and gets a new name: BabaBarock. But they're planning new Magic Tours. I've been in Prague for the first one. I'm still speechless but I can show some pictures from this unforgettable time. 



Getting ready for Czech spells and streets


Alex Ukolov in action! 
The Tarot of Prague as a tool for the guides


Karen Mahony showing her original Oswald Wirth's deck found in Prague


The Full Moon blessing the City of Magic


The Red Hermit of Charles Bridge
After a lovely ritual with the gorgeous cloak by BabaStudio


The Bohemian Gothic Tarot in Sedlec, the Bone Chapel
A wonderful day in Kutná Hora

A very interesting panorama of the Czech cartomancy
Original cards and rarities with Pavel Langer


The Golem, the tombs and the Magic
at the Jewish Quarter


The wonderful dreamer of the 'Seven of Cups'
St. Vitus Cathedral — Prague Castle


All about Libuše, the Celtic founder of Prague


The Tarot of Prague IN Prague
Karen Mahony — inspired by Yeats — and the Celtic Cross


NIGHT 
'The Moon' card at Nerudova Street
I could worship this statue

Alchemical Menu: the dessert with gold!
The best Czech restaurants ever

The mysterious guide of the Ghost Tour
You can walk testifying the creepiest stories from Prague


Every façade has a secret, as Alex Ukolov taught me
Can you see? It's a fable!
 


What about the BabaStudio?
YES, we have been there!




THE REVISED AND THE LIMITED EDITIONS
A REVIEW



The Tarot of Prague [to love forever]

I'm in love with Prague. Reading Ripellino's Praga Magica I can dive into a world of poets, kings, rabbis, alchemists, marionettes, puppet masters and esoteric secrets. According to Franz Kafka, “Prague doesn’t let you go”. It's true. We can say the same about the Tarot of Prague: those who touch it once will be transformed forever. All the cards have been resized and recolored. There are also two extra cards in each deck: 'The Death' and 'The Sun' (Standard Edition); 'The Death' and 'The Lovers' (Limited Edition). Such changes make this new edition very different from the precedents “but as wonderfully readable as ever”. 

It’s really impressive that a statue in Nerudova Street is on a card randomly selected by someone in Rio de Janeiro who wants to know about work or love. It's magical. Before, the images were based in drawings and some photos. Currently, the pictures are powerful than ever, making every card crystal clear. The metallic overlay makes this deck so alive as an open window in Malá Straná, the charming quarter. The new decks were printed in a high quality cardstock, more resistant than the first and the second editions. On the back of every card we have the gorgeous illustration of the four elements with the magic palindrome again. This inscription, found in the New Town Hall Tower, is used for protection against evil forces. It fits perfectly for the cards, avoiding bad influences in the readings. It's magic. Magic from Prague.

two decks — two sizes — two passions

The gorgeous back card and the Little White Book


On the other hand, the LWB is the same and presents some new keywords. The standard edition comes inside a sturdy box whose cover shows 'The Moon', one of the most famous — and gorgeous — card of this project. The deluxe edition is in a large size (about 6.5 * 4 inches) which comes with an exclusive silk scarf, is presented in a special hinged box, with the 'Knight of Wands', doing justice to the adjective “limited”: there are only 900 decks in the world. Both versions show a hologram in the box, which assures the BabaBarock's authenticity.




GENUINE BabaBarock GENUINE


Beside Ripellino's masterpiece I have Mahony's Companion Book — one of the best Tarot books ever. It was edited in 2003 with the first edition of the deck. The new one, revised and expanded, is now sold separately. It has 264 pages and presents:

·  brief description, keywords, short and fuller interpretation of each card — including different meanings of extra cards

·  the sources from the visual and historical references of each card, as illustrations, photos and important details of the city and the cards

·  historical information on the city and famous characters as the Rabi Loew and his Golem, Libuse, the celtic founder of Prague, the Royal Route, the Golden Lane, the Memento Mori in Bohemia and many of the real or mythological figures and places included in the deck 

·  a Tarot readings section with spreads as the Celtic Cross, the Three Cards Spread and The Threshold Spread — ‘threshold' would the real meaning of ‘Prague’ — developed by the author exclusively for the deck

·  storytelling with the cards, symbology and a summary of terms


The Tarot of Prague Companion Book
2016 Edition by Karen Mahony

The new editions of the Tarot of Prague are undoubtedly indispensable in any collection. Precious. As always. I can say those new decks will be sold out quickly — there’s no need of another predictive reading to foresee it. 


I wish to thank Karen Mahony and Alex Ukolov for this incredible experience in Prague. Thanks to Rose Yoshimoto, Alexandra Maya, Vanessa Tuleski and our new friends. We're all connected now! And last but no least, thanks Alexey Dodsworth for being with me on this dream. 

Thank you Prague. 
You're so real now.


Five cards to Vysehrad 




"The Magic City never leaves you!"
Ludamila the Witch

3 de abril de 2016

O ARRANJO DAS FORÇAS

Para Edy, Rose, Humberto e Priscilla, 
o Café Tarot do Arouche

The Book of Shadows Tarot
LoScarabeo, 2012



E se houvesse um método para medir as energias do consulente? E se esse método especificasse as forças e as carências dos quatro planos principais da existência [material, emocional, mental e espiritual], de acordo com os quatro naipes do Tarô? Pois sim, este método existe. Aliás, existem métodos de leitura para quase tudo no universo da Cartomancia. A maioria deles é válida, desde que se conheça suficientemente bem a estrutura da disposição e, claro, o oráculo utilizado.

A princípio chamei de MEDIDOR esta leitura que avalia QUEM o consulente representa no momento — clara referência às Cartas Reais {Pajem, Cavaleiro, Rainha e Rei} — e ONDE ele se encontra — as condições e os lugares simbolizados pelos Arcanos Menores Numerados {do Ás ao 10 de cada naipe}. Assim, sabendo quem ele é e aonde está no momento, pensei em avaliar os principais desafios e também as vantagens do consulente em determinado período. A primeira experiência que fiz com esta tiragem foi no primeiro CAFÉ TAROT no Arouche, um pequeno grande projeto em parceria com a amada Edy de Lucca. A sessão se desenvolveu com cinco arranjos abertos, analisados um a um. Depois da experiência, bastante interessante, comecei a analisar minhas cartas com a devida atenção. E os prognósticos, assim como as diretrizes, têm sido significativos.




COMO MEDIR 

Separe as 16 cartas que compõem as quatro Cortes do Tarô em quatro pilhas de acordo com seu naipe — uma de Paus, uma de Copas, uma de Espadas e uma de Ouros. 

Embaralhe as quatro pilhas separadamente e tire uma carta de cada uma. Faça o mesmo com os Arcanos Numerados, em mais quatro pilhas distintas. Assim, teremos duas cartas para cada naipe {arcano real, arcano numerado}, com 8 cartas no total.





PAUS
ARCANO REAL: quem sou agora
ARCANO NUMERADO: aonde estou
como está minha espiritualidade, minha força, minhas motivações

COPAS
ARCANO REAL: quem sou agora
ARCANO NUMERADO: aonde estou
como está o meu emocional, meus relacionamentos, meus anseios

ESPADAS
ARCANO REAL: quem sou agora
ARCANO NUMERADO: aonde estou
como está meu intelecto, minha comunicação, meus pensamentos

OUROS
ARCANO REAL: quem sou agora
ARCANO NUMERADO: aonde estou
como está meu poder aquisitivo, meus recursos, meus projetos



ATITUDES MAIORES

Não acabou! Conhecidos os oito Arcanos Menores, embaralhe e puxe quatro Arcanos Maiores, um para cada pilha. Eles desvelam as ATITUDES a serem tomadas para (re)estabelecer a harmonia nos quatro âmbitos. É prudente extrair conselhos nobres destes quatro Maiores, pois eles direcionam o consulente da maneira mais adequada possível, já que a orientação emerge contextualizada em cada um dos planos. Agora, o total é de 12 cartas.





PAUS 
que atitude se deve tomar em relação às motivações e à espiritualidade

COPAS 
que atitude se deve tomar em relação às emoções e aos relacionamentos

ESPADAS 
que atitude se deve tomar em relação à comunicação e aos pensamentos

OUROS 
que atitude se deve tomar em relação aos recursos e aos investimentos



TEMPORALIDADE

A validade da tiragem deve ser estipulada antes: mínimo de UM e máximo de TRÊS MESES. Depois do período escolhido, recomendo fazer outra leitura para analisar o rearranjo das forças.

Que tal? Gostaram? Monte o seu Medidor e analise os arcanos com cuidado. A clareza, o detalhamento e a orientação deste método podem impressionar você.




Leo

22 de março de 2016

#SOMOSTODOSCARTOMANTES


Há alguns dias, fiz uma chamada para discutir um artigo enviado por uma leitora do Café Tarot. O tema era a questão de gênero nas cartas, tão interessante quanto polêmico. Eis o enunciado:

Você lê Tarô? Que tipo de abordagem faz das mulheres e dos homens nas cartas? Enfim um artigo que pode gerar muita discussão — e deve, porque é bom discutir. É necessário. Para que haja menos retrocessos ambulantes [cartomantes] e mais reflexões sobre questões urgentes. Todos ganham. E até o esoterismo agradece.

Me perguntaram agora o que eu quis dizer com 'retrocessos ambulantes [cartomantes]'. Em meio a tantos afazeres, pensei por um momento se deveria discorrer sobre a construção de um enunciado em que questiono especificamente profissionais de caráter rígido ou ultrapassado afiliados à Cartomancia, seja ela clássica, moderna ou contemporânea. O tópico me pareceu instigante e pertinente, então escrevi rapidamente algumas considerações. 
Existe um artifício linguístico, empregado especialmente na Arte Poética, chamado "rima". Quem tiver dicionário em casa — todos, presumo, principalmente os que se dão à leitura de imagens — sugiro consultar não só 'rima' mas também outros termos ligados à construção textual, às figuras de linguagem, às intervenções publicitárias como 'adjetivo', já que uma adjetivação foi empregada com o termo 'cartomantes' — mesmo sabendo da flexão cartomânticos', que não gosto e que soaria estranha no meu enunciado. Construir um texto se assemelha à leitura do Tarô: em ambos os casos nos valemos do processo narrativo, cada um com suas idiossincrasias. Construir um período também pressupõe algum domínio escrita. Porém, como sempre, os perigos de qualquer construção estão no entendimento, na reação que ele causa. E aqui, 'retrocessos ambulantes [cartomantes]', com este jogo de palavras rimadas, para algumas pessoas parece ter soado como menosprezo tanto pelo termo 'cartomante' quanto pela classe de cartomantes. Não e não.
Comecemos pelo retrocesso. Usei 'retrocessos ambulantes' do referido enunciado, em rima rápida com 'cartomantes' para me referir às personalidades cujas verdades inabaláveis provém de suas religiões, de suas posições políticas [geralmente fascistas] ou até de seus sistemas esotéricos rígidos e absurdos — aqueles que influenciam seus consulentes e mesmo seus alunos a seguirem uma cartilha específica de credos, de medos e de idiotices. 'Retrocesso', no grande Dicionário Larousse [Nova Cultural, 1999], é o 'ato de ou efeito de retroceder; o retorno à posição ou ao estado anterior; reversão, recuo. O termo vem do latim 'retrocessus' que, no Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa (Lexicon, 2010), se dá como 'movimento para trás'. É bom, inclusive, que o cartomante tenha mais de um dicionário. Mais de dois. Em casa e na vida: dicionário de símbolos, dicionário de termos filosóficos, dicionário analógico, dicionários de tudo. A partir daí, a visão de mundo [e de texto] se amplia consideravelmente. Sim, reconheço que numa primeira leitura os 'retrocessos ambulantes', rimados com 'cartomantes' entre colchetes, parece especificar os cartomantes como retrocessos. Muitos são, que seja dita a verdade, mas a compreensão da minha construção vai paralela ao aproveitamento de uma leitura que fazemos das cartas: o consulente a compreende como bem quer ou consegue. Logo, o leitor da minha chamada compreende como quer ou como pode. Por mais que se esforce em uma interpretação simbólica — que é, ressalto, uma construção tão elaborada quanto a textual — o aproveitamento será de inteira responsabilidade dos clientes consulentes [outra rima!]. Sendo assim, o sentido de um simples enunciado pode ser deturpado por quem não conhece determinados mecanismos textuais ou por quem não se esforça em tentar desdobrar a interpretação do que se lê, coisa tão recorrente numa consulta às cartas. Ah, e o inegável: a discussão proposta sobre o artigo foi longe, como bem quisemos. Sem qualquer interpretação ofendida [pelo menos não declarada] dos tais 'cartomantes retrocessos'. Ressalto, então, que a chamada para o artigo foi construída sem qualquer conotação negativa direcionada a uma classe na qual me incluo com absoluto orgulho — eu, Leonardo Chioda, cartomante e escritor.
Quem se diz 'tarólogo', 'tarotista', 'leitor de sorte' ou mesmo 'fortune-teller', sabe-se cartomante. É um fato, não é uma escolha. É a nossa natureza. Profissão aprendida — ou condição herdada, de acordo com alguns. Mas quem deturpa um enunciado sem entendê-lo de verdade, julgando a partir de uma primeira leitura sem considerar a ironia ou os jogos de palavras empregados, pode ser um exemplo de retrocesso. A quem não conhece nada de comunicação poética, achando que se trata apenas da parte bela e inútil das bibliotecas e dos cursos de Letras, creio que seja auspicioso saber que o Tarô floresce na literatura italiana com destaque em passagens fabulosas de Petrarca e de outros poetas de tamanho indiscutível. As cartas são linguagem. Quem se dói por uma construção desse tipo, de rima proposital, deveria rever ou aprender alguns conceitos. Que vá ler Décio Pignatari, Alberto Manguel, talvez Borges e também Barthes para aprender algo sobre fruição e o que é erigir um texto, por menor que ele seja. Aposto, também, que as leituras oraculares serão tonificadas consideravelmente. Porque ser cartomante é, entre tantos verbetes, estruturar o intelecto, compreender as emoções e desenvolver a intuição. Cartomante, filho de Fortuna. Cartomante [estudante]. Duvido que o leitor de cartas exista para alimentar qualquer ignorância, ainda mais a respeito de leitura. Embora exista, tranquilamente, o cartomante petulante, se debatendo no inferno da própria rima.
Aliás, existe palavra mais linda, neste nosso recorte léxico, que 'cartomante'? E existe palavra mais temida entre tarólogos? É bom que digamos a verdade. Mesmo havendo frequentes avanços na história do Tarô brasileiro, com esforços consideráveis de desmistificação da profissão e da prática da Cartomancia, ainda ressoa o mistério, o fascínio, o encantamento da personagem de Machado de Assis. E há ainda, infelizmente, o preconceito entre os próprios cartomantes que tentam fugir do termo devido à associação com pessoas que valem de processos intuitivos ou religiosos para ver o futuro, aquelas que 'olham as cartas' e aquelas de profissionalismo duvidoso com seus feitiços, amarrações e o slogan 'não diga nada que revelo tudo'. Para refutar qualquer ranço, valorizemos o termo pela via da etimologia: o sufixo ‘mante’, que nos veio pelo grego ‘mantike’ e ‘manteía’, estão ambos relacionados à tecnologia ['techné'] da profecia, à adivinhação e ao oráculo, segundo Junito Brandão no Dicionário Mítico-Etimológico [Vozes, 1992]. Cartomante, independente das roupagens e dos mal entendidos, é um mecânico do acaso. Um adjetivo e tanto.
Talvez coubesse aqui me desculpar pela interpretação equivocada por parte de quem não se debruça devidamente sobre o que lê. Ou dar de ombros, porque escrever é muito mais do que uma conversa — é uma engenharia que se aprende com tempo, humildade, revisão e leitura. Dedicação verdadeira, sobretudo. Assim como a Cartomancia e o seu funcionamento. Então prefiro os ombros, que já suportam bastante, a ter que me responsabilizar pelo nível de leitura aparentemente raso de alguns. Que fique o registro sobre um termo pouco usado mas muito amado por mim — que aplico com toda a licença [poética, com certeza], sempre honrando minha profissão e minha condição de cartomante. Que fique livre esta palavra, minha e sua, repleta de signos tão antigos quanto o ato de 'intuir à maneira dos deuses'. Contra os retrocessos.
Porque cartomantes somos todos, Atlas da combinatória, dicionários vivos. 
Ambulantes. [Cartomantes].

E as rimas ficam.

1 de março de 2016

AS ÁGUAS DE MARÇO



El temps i la natura es passen llibres,
i l'aigua rega el cine amb una altra aigua.

Joan Brossa



Março é a TEMPERANÇA — o ofício da água. Um verso catalão a Tarkovsky. O que destoa; o que completa. O Espelho. Março dos dias do ouro. As cartas se mantém numa sua estrutura fechada, intocada em todas as línguas — impassível no coração dos ateus e no infinito mistério. Corpus hermeticum vestido a cores. Um poema. Mas sua paisagem é móvel, em reajuste incessante. O oráculo é água em Março: uma janela em Veneza, escancarada ao Canal Grande. Uma ponte, um suspiro rearticulado no abdome do destino. Ás de Circe transbordando veneno — copa de amor, que mata na mesma intensidade. 

TEMPERANTIA para latinos letrados. Dos gregos a vasta Sophrosyne. É o mês de fechar o verão; de renovar as próprias águas. Heráclito de si diante de quem não presta e do que segue o percurso do abismo. Dignificar as chances de rojar o melhor jarro — enxergá-lo, bebê-lo. O Graal nas mãos de Março. De saber a justa medida em meio a críticas equivocadas, opiniões capazes e fôlego faltante. Os dias de fortificar a mão que brinda e mistura: ser concomitante, como Clarice em 'Água Viva', que reúne em si o tempo passado, o presente e o futuro. A profusão e seu verbo líquido. Ânfora absoluta na moldura, já que 'o mais profundo é a pele', segundo Valéry. Na água. Animal fluido, indomável — as patas devem estar na paciência. Todas.


Medir, aliás, o quanto se deixa levar pelo fluxo em vez de coordenar o rio por inteiro. O quanto se prende a algo ou a alguém em vez de bramar pela liberdade. TEMPERANZA, amore mio. A flor do amor próprio. A oxigenação dos meandros. Agir um tanto mais pela beleza do acaso — abraçar e agradecer — sem dar ouvidos ao horror do estrito estipulado. Veracidade na amálgama, na lida: o maremoto e o orvalho pressupõem coragem constante. Fazer bem e bem além do compreensível. Do comum. Além do aquém. Arcano de cura para cicatrizes doces, para tecer o mês conforme deságua a mágoa — há de se ler, nas pedras lavadas, um vislumbre de excelência. Sol & Fama. E comer muito bem em Março. Perseverar na delícia, na correnteza. Diluir-se para alcançar a solução do mundo. 
Sim. As cartas se aglutinam em livro aberto. Contam tudo o que não se quer ver, emaranham as paisagens e gozam — um poema. O conúbio e o próprio gozo. Quem batiza é a água. La TEMPLANZA. É o magma no cinema oceano. É o coração de Frida: um animal que ferve. 

As águas de Março. Uma outra água.


© Leo Chioda para Café Tarot
Le Tarot de Jacques Viéville {1650} ● Bibliothèque Nationale de France