15 de novembro de 2006

TARÔ & VIDEOGAME

A luta da Alma em STREET FIGHTER



Um dos meus vícios de infância, lembro bem, era o jogo Street Fighter - preferido pelos amantes da pancadaria virtual, ao lado do velho Mortal Kombat. A franquia, com mais de 12 versões e dezenas de lutadores, leva a marca Capcom (também responsável por Resident Evil e outros sucessos de venda).

Naquela época, final da década passada, um dos personagens do game me conquistou de imediato: Rose. A figura mais estranha, sensual e não menos cativante disponível pra liberar os socos. Sua magia exalava em raios - do echarpe amarelo, o “Soul Spark” atingia certeiro os oponentes. No fim dos rounds ela dava lugar a uma lâmina de baralho cuja estampa era de um corcunda encapuzado com uma trouxa. Nada temperava tanto minha curiosidade. Claro, só soube o que significava "The Fool" um tempo depois, quando apelei ao dicionário. Aquilo me intrigou, pois não é todo dia que se vê algo como Tarô em jogos, principalmente nos de luta. Depois de alguns anos do primeiro contato com o Arcano Sem Número, as analogias surgiram. E não pararam mais.


O enredo caracteriza Rose como uma lutadora enigmática e aparentemente inofensiva que se pode escolher. É a cartomante, a feiticeira que conquista os marmanjos pelas curvas e acrobacias. Vive num tal Palazzo Mistero em Gênova – imagino um lugar delicioso como o Palazzo Vecchio de Florença, que ilustra boa parte do filme Hannibal. Acorda muito cedo e odeia tomar sol, daí sua pele tão branca. Idade, sobrenome e verdadeira origem são desconhecidos - até então. Nas três versões do jogo Street Fighter Alpha (Zero para os japoneses), Rose persegue M. Bison (ou Vega, também no Japão), o grande inimigo dos inesquecíveis Ryu, Ken e Chun-Li.



A UDON Comics, responsável pelos quadrinhos de Street Fighter na América, deu um sentido cronológico à personagem. Dizem que quando jovem, desenvolveu sua magia numa comunidade cigana, auxiliada por uma mulher de longos cabelos brancos conhecida apenas por Mestra, com quem aprendeu a controlar o "Soul Power", o poder de sua própria alma. Para materializá-lo, portanto, basta despejar a ira sobre os botões!

SF em Quadrinhos - A pequena Rose e sua Mestra consultando o oráculo.

Dotada dessa força direcionada para o bem, Rose sente o perigo se aproximando cada dia. Procura no Ocultismo algumas respostas sobre uma figura demoníaca que surge em seus sonhos, gargalhando entre as trevas, mas acaba descobrindo apenas mais perguntas, deixando-a na escuridão do próprio mistério.

Já adulta, dedicando-se especificamente ao tarô.

M. Bison (ou Vega), o vilão conhecido por toda a galera do fliperama, é o causador de todas as destruições e transformações pelas quais passam os lutadores, inclusive o maior pesadelo de Rose. Ele está à procura de grandes guerreiros para desafiar e obter seus poderes: um dos motivos para o sangue jorrar nos torneios Street Fighter.

Bison e A Morte do Secret Tarot

Em uma de suas consultas ao tarô, ela tem a Morte, o Diabo e a Torre: M. Bison em seqüência. A Morte é o próprio, O Diabo sua postura e A Torre o seu império, erguido sobre o nome de Shadaloo" (Shadow Law), a maior organização criminal do mundo.

Há quem diga que ambos têm um obscuro parentesco e trazem no sangue uma herança de poder sobre a mente humana, ou ainda que são apenas uma alma ocupando corpos distintos, a explicação mais plausível dos fãs da série. Rose o bem, Bison o mal. Arriscado sugerir Animus e Anima? Bom, se ele já personifica A Morte, sua contraparte, pela soma (1+3) é o quarto arcano – o poder conquistado, o lado yin, a obstinação – enquanto Rose carrega a sensualidade, a beleza, a satisfação do espírito renascido e a ação naturais d´A Imperatriz. Os personagens conversam entre si.


O Imperador e a Imperatriz do Thoth Tarot

Sendo também um antigo discípulo da tal Mestra, Bison decidiu retornar à comunidade com o intuito de destruir tudo. Possuidor do "Psycho Power", a mesma essência do "Soul Power", ele fortaleceu o lado negro de sua força e dizimou a população de psíquicos, incluindo a própria Mestra, até então sua principal ameaça.

Mas a tal cigana é carta fora do baralho, se é que já fez parte de algum. Rose foi, de forma previsível, a única sobrevivente. Convencida a persegui-lo e pôr fim ao seu reinado de caos, mal sabe que essa ligação é maior do que se imagina. Enquanto seus atributos complementam os de Bison, Rose é, essencialmente, A Sacerdotisa que desvela acontecimentos e esclarece enigmas do destino, como faz com Ryu ao transportá-lo para o Astral, quando dá uma de conselheira. Qual será a carta que ela lhe dá?

Uma carta para Ryu

Desdobrando o segundo arcano maior, tem-se A Força como complemento. O domínio psíquico, a escuridão, a paciência e o segredo. A descoberta de si, o poder interior domado e bem direcionado. Sabe e oculta, medita e expõe. Imaginando-a como Temperança, são semelhantes no olhar - serenidade à flor da pele, até mesmo durante as brigas. Por vezes é considerada uma lutadora fraca, lenta e “pesada” pelos jogadores – o que ressalta os atributos que a Sacerdotisa lhe empresta. E A Imperatriz ainda vale: Rose mora entre as duas.

A Sacerdotisa e a Imperatriz do Ancient Italian Tarot

Rose, ao contrário dos demais personagens, não se limita apenas aos motivos pessoais de vingança ou ao gosto pela ação. No torneio ela tem a oportunidade de refletir sobre essa força, pois sabe que estará lidando com ela mesma ao enfrentar seu adversário. Vemos o próprio poder do vilão direcionado ao caos, à ascensão do seu império e à destruição de todo o resto, revelado num episódio do desenho animado em que Bison cultua a deusa hindu Kali. Em alguns baralhos, ela é retratada como os três arcanos que o descrevem. Coincidências?



No castelo da Shadaloo - a própria Torre - Bison constrói uma máquina chamada “Psycho Drive”, que regenera e acumula toda a energia corrompida no intuito de dominar o planeta.



Comanda seu próprio exército de soldadas, programadas para massacrar qualquer oponente que represente obstáculo. Duas de suas representantes são Juli e Juni, extremamente ágeis e fortes que, antes de serem possuídas, tinham vínculos com outros personagens. As aparências femininas enganam e o poder de Bison corrompe. Um misto de tecnologia e magia negra. Literalmente, um plano diabólico.


O Diabo comanda.
Mas se o demônio marselhês faz uma sátira à espada da Justiça segurando-a pela lâmina, Bison o imita em relação a Rose e aos que estão abaixo dele em termos de poder. Alguém se habilita a enfrentá-lo? O tão demorado confronto ocorre após ter lutado com vários dos street fighters e nenhum, porém, ter sido páreo para a bruxa da história. Numa chuva de raios mágicos, o destino do universo depende de Rose. 


Se Rose morre, Bison continua imperando, e o poder dela se dissipa para sempre. Game Over. Mas graças aos viciados nos golpes, a bela italiana aparentemente o destrói.
Dá-lhe Torre!

A Torre do Labyrinth Tarot

Diz a lenda que ela é possuída por ele, causando a fusão, a aliança do poder em toda sua abrangência. Inevitável é cair na Temperança. Feitos um do outro. Um para o outro. Coagula, portanto. Se comparada ao anjo, é nítida também a semelhança estética - a calma à flor da pele, mesmo durante as brigas. Ah, e a perseverança que só a Estrela possui.

Rose e a Temperança do Ancient Italian Tarot

Ainda no mesmo raciocínio, Rose passa a comandar a Shadaloo enquanto um novo corpo “bisônico” é desenvolvido – o renascimento, também atribuído à Kali. Já que os dois lados da sua alma estão juntos novamente, ele fica mais “fraco” do que antes. Daí a razão de não possuir tantos poderes em outras versões do jogo, garantem alguns fãs e teóricos.



Fora da linha dos achismos, ela não pode descansar, muito menos suas cartas. O Louco no tarô seria o "homem do fim dos tempos", o desconhecido que viria para deter o mal ou então ser o grande destruidor. Akuma? Ryu? Esse arcano, o veículo que simboliza o destino das lutas e do planeta, é a própria Rose.


Atravessando o véu de si mesma, não traduz seus sentimentos em ações, ou talvez esteja além da posição dos demais lutadores. Uma estrela intacta, a mulher por trás dos arcanos, em busca da própria Alma.

O meu vício em Street Fighter hoje é substituído pela virtude em manejar as cartas. Mas ainda mantenho em dia a pancadaria com Rose, que arrisco dizer ter sido uma das responsáveis por me fazer pensar nas artes narrativas entre o espírito geek, o esoterismo, as alegorias. Tradições cotidianas que caem no nosso gosto, abrem portas e [nos] criam mitos. Todos esses elementos estão nos meandros de nós, em relativo combate.


Let´s fight!

Leo

4 comentários:

Menezes disse...

Gostei da correlação que foi feita. É fácil menosprezar as histórias dos jogos por serem só jogos. Mas muito de história, mitologia, deuses e filosofia eu aprendi jogando jogos no estilo RPG.

vini disse...

Minha Nossa eu nao sabia que alguem um dia escreveria sobre a rose!!! parabens leonardo ficou ottimo esse texto! era tudo o que eu queria ler e nunca tinha qm escrevesse.. so vc e seu talento pra fazer isso posivel! abraços Vi.

Emanuel J Santos disse...

Leo, você conseguiu valorizar uma personagem que, admito, considero fraca, lenta e pesada para jogar. Maaaaaassss com a qual vou me esforçar para jogar por esses tempos.

Sarah Helena disse...

É uma das personagem preferidas do André... ele diz q o jeito como ela usa a magia é diferente dos outros.