14 de julho de 2012

E NO TARÔ ESTÁ ESCRITA UMA CIDADE.




Kublai Khan: – Fale-me de outra cidade – insistia.
Marco Polo: – ...O viajante põe-se a caminho e cavalga por três jornadas entre o vento nordeste e o noroeste... prosseguia Marco, e relatava nomes e costumes e comércios de um grande número de terras. Podia-se dizer que o seu repertório era inexaurível, mas desta vez foi ele quem se rendeu.
Ao amanhecer, disse: - Sire, já falei de todas as cidades que conheço.
– Resta uma que você jamais menciona.
Marco Polo abaixou a cabeça.
– Veneza – disse o Khan.
Marco sorriu.
– E de que outra cidade imagina que eu estou falando?


ITALO CALVINO | As Cidades Invisíveis, 1972.




Minha relação com cidades costuma ser sempre visceral. Alguns amam pessoas ou livros e passam a vida tentando decifrá-los, publicar sobre gente ilustre ou filme e até obter doutorado para falar com toda a propriedade sobre determinado evento ou criatura. Já eu tenho com cidades, mesmo. Sei que é interminável esse trabalho, mas ele se mantém. Como se elas fossem personificações, se é que não são. E Veneza é minha preferida. Quem me conhece bem, bem sabe. Uma cidade que é uma pintura. Mise en abyme absoluto, confunde os olhos e as verdades interiores. Aperta o coração. Mesmo depois de três viagens feitas até lá, não consigo descrever o que senti. E não falo devido à beleza indiscutível e à pompa que o turismo confere ao Vêneto todo, mas pela atmosfera e pela história. Pelo enigma.



Marco Polo deixa Veneza em 1271. Iluminura do século XIV.

Um dos meus livros favoritos de Italo Calvino é justamente um dos seus mais famosos: As Cidades Invisíveis. Marco Polo é o veneziano que tece as cidades em frente ao Grande Kublai Khan, imperador de tudo, a fim de ilustrar as maravilhas de seus próprios horizontes. É Veneza a raíz das narrativas de Polo, sempre será. O eterno viajante jamais esquece suas origens. Assim com o tarólogo, que nunca se perde de onde vem. O primeiro baralho é crucial ao desempenho futuro, acredite.

Aspettando l'Ariuo di Marco Polo | Juarez Machado, pintor brasileiro.

E por falar nelas, nas origens, Veneza era o link entre a Europa e o Oriente. É Dai Léon, em seu tortuoso Origins of the Tarot (Frog Books, 2009), que afirma ter sido a jóia do Adriático o maior centro italiano de importação de cartas. Graças ao comércio dos mercadores venezianos que as cartas de jogar se tornaram conhecidas nas cortes do Norte da Itália. Veneza foi forçada a se tornar o sultanato mameluco em Alexandria para então poder ser agraciada com os bens do Oriente. Também fez escambo com Istambul. Competição acirrada com Portugal. Portos e portos, negociações. A nobreza, as iguarias. O tempero de Veneza é alquímico. Era o umbigo cravejado de encantamentos do Velho Mundo. Lenda viva, nunca afunda. Poderíamos dizer, a partir das teorias de Léon, que sem Veneza não seríamos nada. Os arcanos teriam tomado outros rumos, talvez. Ou não. Ou sim.

Qual é a sensação de embaralhar uma cidade? Quebras das linhas dos mapas, contornos. Variações de becos e flashes de praças e bairros e vias. Quando se embaralha Veneza, no entanto, difere em tudo.



Vi o Tarocchi di Venezia há alguns anos quando navegava pelos mares do Aeclectic, maior catálogo virtual de baralhos e resenhas, absolutamente confiável. Procrastinei tanto  a compra que por fim, logo depois da minha palestra na II Confraria Brasileira de Tarot, decidi acabar com a distância e o recebi das mãos de Priscilla Lhacer, do Amor Próprio, a melhor importadora de baralhos do Brasil. Felicidade por ter Veneza mais perto. Concebido por Davide Tonato, pintor surrealista veronês, o projeto teve a idealização de Giordano Berti, uma das maiores referências italianas em história do Tarô. A partir desse fato [já que sou um ávido devorador do trabalho de Berti], acabei constatando o empenho e a coerência do projeto ao elencar personalidades venezianas em cada uma das setenta e oito molduras. O passado configurando o presente e o futuro. Quer melhor oráculo que a própria História?


Il Matto, o nosso querido Louco que estampa a embalagem consistente que só a Dal Negro faz, é nada menos que um Arlecchino, ícone da Commedia dell'Arte, que por sua vez serve de base para o estudo dos 'arquétipos' cenográficos. Va bene, se fosse só isso seria bonita a associação entre a figura cômica e o Arcano Sem Número. Ponto. Mas o augúrio vai além e se ramifica na paisagem: o Arlecchino se equilibra sobre um barril sobre o mar, bem à frente da ilha de San Servolo, o manicômio de Veneza. A partir daí, a coisa fica séria.

 


Il Bagatto, ou Mago, é Giordano Bruno. O cenário? Piazza San Marco, o chão feito de memória e poemas. Portia, a juíza d'O Mercador de Veneza, encarna o oitavo Arcano. É Shakespeare eternizado junto à Ponte dos Suspiros. A matemática Elena Cornaro Piscopia rege La Fortuna sob a torre do relógio astrológico, foto obrigatória a qualquer visitante. La Morte surge esvoaçante na igreja de San Rocco lançando seu manto negro metáfora da peste de 1603.



Galileu Galilei, n'A Estrela, mostra ao doge Leonardo Donato um novo instrumento de observação: o telescópio, em 1609. Carlo Goldoni, que tive o privilégio de estudar durante o curso de Storia del Teatro quando morei na Itália, aparece divinamente homenageado no Sol: Zanetto e Tonino ainda meninos, protagonistas da peça I Due Gemelli Veneziani, fazem alusão aos tarôs clássicos. A iconografia veneziana dialoga com a tradicional. Grande sacada dos compositores do maço.

 

Por isso digo que não é apenas um Tarô para marcar nome. É uma obra de Arte que é homenagem que é coerente. Coerência simbólica, bato nesta tecla. O respeito à estrutura convencional do Tarô, hoje em dia, tende a ser o diferencial. Quando há, que felicidade. Quando não, cuidado. Sempre muito cuidado. Analogias são bem-vindas, mas como possibilidades, nunca verdades absolutas. Assim o artístico se mantém. Alimenta o lúdico, o humano.

Mas estar em Veneza é estar em casa. Literalmente. E nos Menores, a prudência de Tonato e Berti se mantém. Marco Polo vestido com armadura encabeça o Valete de Paus, prestes a embarcar para combater a frota da República de Pisa. Aretino, poeta de luxúrias e veneziano por adoção, surge no Quatro de Ouros. Casanova, o libertino mais famoso de Veneza, circundado de belas moças num jardim, alegra o cenário delicioso do Nove de Copas. Nas Espadas, surge o leão alado de São Marcos portando o estandarte da cidade. Ás: VENETIA VINCIT. No 10, Napoleão Bonaparte como o libertador do povo se faz presente matando a República de Veneza, quando em 1797 a dá de presente à Áustria. Um espetáculo analógico que passa por Murano, Lido e faz de toda a laguna o Universo. Anima mundi.

O começo da aventura: desbravando o deck. | Instagram @leochioda


E as personalidades continuam. Pesquisa histórica bastante nítida e sugestão de leituras. Sempre mais leituras. Difícil acreditar em quem lê o Tarô pelas vias da facilidade a qualquer custo. Alguém conhece uma cidade inteira em apenas um dia? Nunca.

Primeira jornada: julho 2008.


Ler o Tarô, qualquer Tarô, requer dúvida, coragem e atenção. O poder das narrativas é tão forte como sair em plena solidão pelas vielas de uma cidade. Perder-se pelos becos da interpretação, sugerir atalhos, reconfigurar o mapa interno. O sangue fala mais alto quando você descobre que um dos seus tataravôs era gondoleiro. Daí que meu caso de amor com Veneza é visceral. Penetrar as fondamenta com o ímpeto de desbravador e tornar a cada calle do caminho convencional permitindo um olhar mais generoso. Tarefas de um viajante, não de um mero turista. O viajante lê cidades. E nunca diz, com propriedade inabalável, que as conhece de fato. Afirma que as tem, no entanto. No coração, na imaginação.

Carta Alta | Maschere Veneziane. Que tal uma com Visconti-Sforza? 


O Tarô é um exercício de raízes.
E mesmo depois de três longas visitas a Veneza e dos sonhos constantes [com os mercados, os cafés, os vidros, os mouros, os barcos, os leões, as caravanas e os espíritos], eu a tenho agora em minhas mãos, como espelhos de exato diâmetro e espessura. Cidade é reflexo. O símbolo máximo do homem. Contém tudo. Todos.


Marco Polo Voyage | O trajeto até Kublai Khan em selos franceses.


O Tarô, ele próprio, é uma cidade. Difícil acreditar em quem o lê pelas vias da facilidade a qualquer custo. Alguém conhece uma cidade inteira em apenas um dia? Nunca. Ler o Tarô, qualquer Tarô [que fique claro] sob qualquer sistema, requer dúvida, coragem e atenção. O poder das narrativas é tão forte como sair em plena solidão pelas vielas de uma cidade desconhecida. Perder-se pelos becos da interpretação, sugerir atalhos, reconfigurar o mapa interno exige ousadia. Aventura. Atentar às paisagens dos baralhos favoritos desemboca em novas cidades, já percebeu? Invisíveis, a princípio. Mas íntimas. Mundanas. Humanas em sua extensão e perímetro. Tal qual um coração. 

Somos Marco Polo quando abrimos as cartas sobre uma mesa: desbravamos símbolos de nós mesmos aos outros, traduzimos o desconhecido. O Tarô é uma viagem, uma procissão, um carnaval, uma frota, uma companhia de teatro. E nós somos os escritores, os roteiristas, os poetas das circunstâncias. Atores, dramaturgos, pintores. Cabe a nós os registros das Rotas, desde as origens até depois dos destinos.


E Veneza é meu coração. De vidro e água.
Outras cidades surgirão.
Ah, sempre.



L.


_________________________
AONDE ENCONTRAR O TARÔ DE VENEZA?

6 comentários:

Emanuel disse...

Leo, você já leu As Memórias do Livro, de Geraldine Brooks? Livros, cidades, histórias e memórias em uma única restauração, que se remete ao futuro, ao porvir.
Recomendo e, by the way, vou (re)ler.
Abraços.

Katharina Dupont disse...

Através do Tarô viajamos para lugares distantes como Itália, Rússia, Oriente e ao mesmo tempo mergulhamos no mares escuros do nosso inconsciente. Interno e externo..Longe e perto..e sempre voltamos ao inicio de nossa jornada, com a trouxinhas nas costas prontos para uma nova jornada.
Grata por dividir sua viagem conosco!

Micheliny Verunschk disse...

Leo, amei o Tempestardes! Biscoito fino, tudo o que vc escreve! Bjs!

Micheliny Verunschk disse...

E, puxa, Leo, esse texto sobre Veneza e o Tarô, perfeito.

Tenille disse...

Me lembrou uma passagem de Miguel de Unamuno em "O sentimento trágico da vida". O começo principalmente, deixo o trecho todo porque é bonito.

"O amor personaliza tudo o que ama. Só é possível apaixonarmo-nos por uma ideia personalizando-a. E quando o amor é tão grande e tão vivo e tão forte e transbordante que tudo ama, então, ele tudo personaliza, e descobre que o Todo total, o Universo, também é Pessoa. Tem uma Consciência, Consciência que, por sua vez, sofre, se compadece e ama, isto é, é consciência. E esta Consciência do Universo, que o amor descobre personalizando tudo o que ama, é o que chamamos Deus. E assim a alma compadece-se de Deus e sente que Ele se compadece dela, ama-o e sente-se amada por Ele, dando abrigo à sua miséria no seio da miséria eterna e infinita, que é, ao eternizar-se e tornar-se infinita, a própria felicidade.

Deus é, pois, a personalização do Todo, é a Consciência eterna e infinita do Universo. Consciência presa da matéria e esforçando-se por se libertar dela. Personalizamos o Todo para nos salvarmos do Nada, e o único mistério verdadeiramente misterioso é o mistério da dor.

A dor é o caminho da consciência, e é por ela que os seres vivos atingem a consciência de si. Porque ter consciência de si mesmo, ter personalidade, é saber-se e sentir-se distinto dos outros seres, e só se consegue sentir essa distinção com o choque, com a dor maior ou menor, com a sensação do próprio limite. A consciência de si mesmo não é mais do que a consciência da própria limitação. Sinto-me eu mesmo ao sentir que não sou os outros; saber e sentir até onde sou é saber onde deixo de ser, e a partir de onde não sou.
E como saber que se existe não sofrendo nem muito nem pouco? Como voltar sobre si, lograr consciência reflexa, senão através da dor? Quando se tem prazer, esquecemo-nos de nós próprios, de que existimos, entramos noutra coisa, alienamo-nos. E só nos ensimesmamos, voltamos a nós próprios, a sermos nós, na dor."

voyance disse...

Su sitio es maravilloso y diverso. No es válida e insomne ​​que soy gracias a ti siempre ocupado.
¡Buena suerte!