29 de março de 2010

UNA BELLA DOMENICA



Estou morando em Perugia, na Itália. Aqui a vida é do jeito que eu gosto, com seus horários, tempos vagos pra preencher com caminhadas, estudos e trabalho no conforto que me é concedido. Vim também com a intenção de pesquisar e garimpar material sobre tarô pra acrescentar uns temperos a mais no que se anda produzindo no Brasil.

Confesso que os meus compromissos e também a fotografia consomem tempo demais pra me dedicar especificamente a essas ideias. Mas existe a fúria. E existem os acasos e as surpresas, que me fazem ainda mais feliz nesta terra tão capricorniana já enraizada no meu peito.



Outro dia tive um sonho: viajava até San Marino, onde existe a loja física da Alida Store pra comprar um Minchiate Fiorentine, um dos tarôs mais cobiçados pela minha pessoa. Dias se passaram e eu pensei em como usaria o baralho quando o tivesse mesmo em mãos, levando em conta que são 97 arcanos.

Ontem, passeando pela feira de antiguidades no centro histórico, parei pra ver os livros velhos numa bancada. Claro que o primeiro título que me veio à cabeça foi o procuradíssiimo I Trionfi de Petrarca, um documento precioso pra quem estuda o tarô. Me assustei quando vi uma caixa dourada do Visconti Sforza. Uma edição bonita e bem manuseada, do jeito que o meu signo gosta. Mas fiquei arrepiado quando vi uma outra ao lado, toda vermelha. Sim, caros. Era um Minchiate! Quase soltei um "cazzo!" em voz alta, mas me contive. Peguei e pedi pra me deixar ver as cartas. Todas inteiras, maço completo.



"Quanto viene? 12?" - perguntei, cuidadoso, por não entender o preço na etiqueta.
"No, 10 euro!" disse o vendedor, um verdadeiro sózia de Salvador Dalí.

Fiquei mais eufórico ainda! Não, não foi nada surreal, foi um momento de conquista. Anos e anos de procura que acabaram ali, em três minutos de contagem das lâminas, de pagamento e de 'Grazie a te'. Continuei passeando em busca da famigerada criação de Petrarca, tomando o melhor sorvete do planeta e muito grato pela surpresa que a Itália me fez. A vida é bela. Mais ainda com esses pequenos detalhes.

Abbraccio,

Leo

10 comentários:

Anônimo disse...

Uau que achado!!!
Vc merece! Bjs
Lu

Mary Valeriano disse...

Cazzo!!!
Che culo!!!
Queste carte erano tue ancora prima che tu le incontrassi :-)
Appena finisco il lavoro che mi prendi l'anima ti cerco e spero di incontrrarti.
Un bacione e goditi la tua bella vita all'italiana :-)

Zoe de Camaris disse...

Maravilha, meu querido! Queria estar aí com você para essa viagem de pesquisa, iríamos pirar tenho certeza. Vê se econtra um antigo baralho de cartomancia, "As cartas do Sonho". Vou procurar o link,se é que ainda tenho por aqui. Beijos muitos, Zoe.

e.v. disse...

Acompanho seu site que é uma delicia... fico feliz por ter encontrado seu "tesouro"... que você saiba usar com inteligência, responsabilidade, saúde e com muito amor em seu coração...bjs Ely

André Peres disse...

Ao ler o seu relato imediatamente me lembrei de Clarice Lispector e sua "Felicidade Clandestina"...embora histórias diferentes um mesmo surpreendente desfecho: a felicidade em alcançar um sonho, um desejo....
"[...]Eu vivia no ar... Havia orgulho e pudor em mim. Eu era uma rainha delicada. As vezes sentava-me na rede, balançando-me com o livro aberto no colo, sem tocá-lo, em êxtase puríssimo. Não era mais uma menina com um livro: era uma mulher com o seu amante."

E que essa seja apenas uma pequena amostra da felicidade que lhe espera (e que ao contrário de Clarice não lhe será nunca clandestina)...

. disse...

Nada no mundo acontece por acaso.
Se aconteceu desse jeito, é por que estava escrito, maktub.
Feliz que você esteja feliz.

Add seu blog nos favoritos do meu.
Qdo puder, me faça uma visitinha.

Valquiria disse...

Parabéns pela compra! Aproveite a viagem! Felicidades!
Valquiria

Martina disse...

E encontrou um tesouro escondido, te esperando, de soslaio...
cheguei aqui hoje, tô gostando de lê-lo.
Só tenho uma duvida: me disseram uma vez que tarot usado não é bom comprar. Você nega? o que acha sobre isso?

gracias,
Marte.

Leonardo Chioda disse...

Nego, Martina. Isso é conversa mole, pelo menos na minha opinião. O papo de que as forças do antigo dono ficam presas no papel não significa que as SUAS energias, agora envolvendo o baralho comprado, lhe privarão de uma boa leitura. Não. Compre sem medo.

Obrigado pela visita!

Anjo disse...

Vendo baralhos antigos assim eu me arrepio inteiro. Quantas coisas já não devem ter visto estas cartas...

Quanto a novos ou antigos donos... Não importa. Quando a árvore foi derrubada para fazer o papel, ela já sabia que algum dia ia lhe pertencer.

Abraço.