20 de novembro de 2018

ENTREVISTA COM O ORÁCULO


Tem sido cada vez mais frequente, em blogs de entusiastas e tarólogos profissionais de língua inglesa, a prática da entrevista de um baralho. Seja ele novo ou velho, a medida é interessante para medir o potencial do Tarot que nos chega em mãos. 

Eu compro baralhos com alguma frequência. É um vício que muitos celebram. Mas melhor que isso é saber com que[m] estamos lidando, já que um oráculo é um espelho que nos reflete e nos coloca em contato com histórias extraordinárias — nossas e de outras pessoas. Há algumas semanas acabei comprando um novo DruidCraft Tarot. Uso este deck desde 2005, quando ganhei a primeira edição de um amigo muito querido. E agora, aproveitando os feriados para colocar a vida [e as perguntas] em dia, decidi entrevistar esta ferramenta de ofício tão querida. 


QUEM PRECISA DE TÁBUA OUIJA?

Brincadeiras a parte, entrevistar um Tarot pode dar arrepio em leigos e veteranos. E é bom que seja assim. Sugiro aqui o método de leitura que desenvolvi e que aplico com frequência. A grandeza de entrevistar um baralho, além de exercitar o raciocínio simbólico, é se deparar com cartas e respostas que surpreendem, que instigam o trabalho constante com as cartas. Esse método é ideal para quem se dedica a alguma linha de espiritualidade, já que abre caminho para noções cada vez mais profundas sobre a natureza e a aplicação do baralho em questão. Embora, claro, também sirva a quem deseja mapear as nuances e as vibrações de um oráculo específico. Vamos lá?


OS PREPARATIVOS

A ideia é que você tire o Tarot da caixa, se certifique de que há 78 cartas diferentes e comece embaralhando com tranquilidade e constância, sem pressa. Enquanto embaralha, sinta o cheiro das cartas, repare nas cores do verso delas e na textura do papel. Vá pensando nas circunstâncias que fizeram este Tarot chegar às suas mãos. Você o desejou muito? Gosta das suas imagens? O que mais te atrai nele? Sinta o oráculo. Ao mesmo tempo, reconheça que ele é uma instrumento de reflexão, previsão e orientação que merece o devido respeito. E que, não à toa, ele está em seu poder agora. Às suas ordens. Não se engane, esta etapa é simples e muito importante. Se você não vê sentido nela, convém pensar bem a respeito da sua própria relação com o oráculo.  

Feito isso, reúna as cartas e em seguida abra-as em leque ou corte onde o maço onde intui que deve ser. Essa medida é totalmente arbitrária e não influencia na leitura, a menos que você permita. Se prefere escolher as cartas uma a uma, tudo bem; se prefere pousar a mão sobre o baralho e 'quebrar' o maço em determinada altura, vá em frente. Este detalhe é pessoal e varia com muita freqüência. O importante é estar presente enquanto manipula os arcanos — sejam eles virgens ou não. 



AS PERGUNTAS

1. Quem é você? Quem fala através deste Tarot?
2. A quais propósitos você serve com maestria?
3. O que você revela a seu respeito?
4. O que você revela a meu respeito?
5. Quais suas fraquezas?
6. Quais suas forças?
7. Eis o nosso potencial de trabalho em conjunto.
8. O que você começa me ensinando?

E caso o seu desejo seja ir um tanto além nesta consulta, você pode tirar uma carta extra:
9. Qual o seu segredo?

Mas se você quer uma análise mais rápida, quase um bate-bola, sugiro a seguinte adaptação:

1. Quem é você?
2. O que você faz de melhor?
3. Como será o nosso trabalho em conjunto?
4. O que você me ensina agora?


EXEMPLO DE LEITURA



O DruidCraft Tarot, como já comentei, é um dos meus favoritos. Seu imaginário é voltado ao Druidismo e à Wicca e tem sido um dos baralhos mais vendidos do mundo desde o lançamento. Às vésperas de uma viagem muito importante em termos espirituais, o trabalho com essas cartas volta em boa hora. Compartilho com vocês as respostas que me foram dadas. 

1. Quem é você? Quem fala através deste Tarot?

XV CERNUNNOS
Eu sou o Senhor das Folhas, o Guardião das Florestas. Meu nome é Paixão. Dança. Amor. Medo. Domínio. Eu sou o vento forte e a brisa. A potência e o chão. A semente da vida vinga em meu nome. Eu sou o deus de tudo o que floresce, fenece e renasce. Quem se liga a mim vê tudo; quem foge só estreita os nossos laços. Eu chego e a terra treme. Terra e Água e Fogo e Ar são o meu Espírito. Eu estou em cada lágrima, em cada grão de sol, em cada arma, em cada escuro, em cada fagulha. Quem fala através deste oráculo é aquele que os tolos chamam de Diabo e os sábios tomam por Natureza. Eu sou o portal e sou quem passa por mim. Eu sou o que se chama de vida e de morte diante de ti.


2. A quais propósitos você serve com maestria?
OITO DE OUROS
Eu sirvo àquele que preza pela excelência. Sou o hábito da primazia, o capricho que não se negocia, a grandeza em tudo o que é possível ser feito. Produzo, aprimoro e me garanto como o arcano do cuidado e das mãos atentas ao que é belo, palpável, urgente e inadiável. Eu venho para responder a questões de ordem material, assuntos que pedem reparo e potências que exigem vazão. 


3. O que você revela a seu respeito?
DOIS DE COPAS
Eu mostro os emblemas do Amor. Eu posso e faço aquilo que demanda coerência e aliança. Sou o arcano dos contratos, das relações públicas e secretas, dos brindes que a vida pede. Eu revelo que este é um tempo único de celebrar o que há de mais forte e indestrutível dentro de ti e de quem recorre às suas palavras. A minha natureza é um acordo fiel e duradouro com o que há de sensato, sincero e sereno. Somos duas taças tilintando a céu aberto. O nosso tempo é de comunhão com a verdade. Nós somos o arcano que não te deixa esquecer: tu não estás só. 


4. O que você revela a meu respeito?
NOVE DE PAUS
Tu tens sido a desconfiança e a incredulidade em pessoa. A tua pessoa é essa que questiona até mesmo uma entrevista com um instrumento de trabalho tão vivo quanto somos nós. A verdade é que teu ceticismo cessa na medida em que nos ouve e acompanha: a cada momento é como se a vida desabrochasse aos teus pés, firme e fiel a si, mostrando que pouco importa qualquer medo. A tua força se faz digna na medida em que nos toma reais. Eu revelo que tu és o senhor do teu campo. E há muito a ser feito. Começa.


5. Quais suas fraquezas?
TRÊS DE OUROS
Eu falho no que é tocável. Eu vou até o ponto em que tu determinas. O inverso do trabalho é a inércia, e eu erro na constância dos detalhes caso não receba a tua devida atenção. Eu peco pela falta de uso. Sou um tanto fraco fisicamente, mas cada desgaste corresponde à minha melhor performance. Todos atentos aos meus talentos: a minha beleza abre os teus portões para perceber a Magia. Ainda que eu falhe, tu te moves. E alcanças.

6. Quais suas forças?
ÁS DE COPAS
O meu ouro é líquido. As forças que reúno são as forças das águas — os sentimentos, os fluidos principais, o caldo sagrado de Cerridwen. Meu nome é caldeirão, concha, vaso, útero, mão. Eu sou a  própria Força. Eu jorro cada dia. Eu te ofereço clareza e profundidade em assuntos ligados ao amor, à alma e à vida que nunca seca. 

7. Eis o nosso potencial de trabalho em conjunto.
XX O JULGAMENTO
Juntos renascemos. Juntos saímos do fundo de qualquer poço para o ponto mais claro da alvorada — assim é o prenúncio de um laço que já vem de outros tempos. Juntos refazemos caminhos e começamos outros mil. Assim, juntos, podemos tocar os temas luminosos do espírito, das surpresas e das urgências. Tudo que eu falo através de ti é revelação. A tua palavra é minha grandeza e a minha grandeza está na tua palavra. Juntos renascemos e damos o renascimento. Juntos iluminamos. Juntos somos luz a quem se habituou com a sombra.

8. O que você começa me ensinando?
REI DE PAUS
Há coisas que devem ser feitas. Há coisas que devem esperar. Tu estás pronto. Não há tempo a perder agora, bem sabes. As coisas devem ser feitas com louvor, como se fosse o último dia de tua vida. Cada postura assumida é uma dívida criada com a vida. E tua vida é essa fagulha pedindo para valer a pena. Eu sou o Rei do Fogo, o Fogo dos Reis. Estou desde o começo encarando as tuas palavras. Toda promessa que me fazes será cobrada. Toda dúvida que resta deve ser destruída. Eu olho fundo nos teus olhos. E cada compromisso firmado mede a tua honra. 


9. Qual o seu segredo?
SEIS DE ESPADAS 
Posso te mostrar o além. Como os caminhantes da água que ligam Avalon ao mundo dos homens, te levo pelos veios de bruma e de certeza pelo que deve ser considerado. O meu segredo é servir ao tempo dos vivos e ao tempo dos mortos, como se nada tivesse fim. Como se tudo fosse um contínuo entre o teu coração e os outros. O que outros oráculos chamam de fase ou momento, eu chamo de viagem propícia a cada momento que tu nos embaralha. O meu nome é jornada. Travessia.


AS PALAVRAS DEPOIS

Como você percebeu, as respostas vieram em primeira pessoa. Esse é um exercício simbólico, como comentei, mas também um exercício de escrita. Você não precisa escrever dessa maneira em seu caderno de anotações. Pode ser simples, elencando palavras-chave das cartas, por exemplo. Caso deseje 'gravar' a voz dos arcanos, fica a dica. O importante é anotar as cartas e trabalhar em cima de seus significados. 

É assim, aos poucos, que a sua relação com o oráculo passa a ser menos distante e começa a abrir cada vez mais a sua intuição. 

Nenhum comentário: